segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O Código Da Vinci - Dan Brown

O Código Da Vinci - Dan Brown

Editora: Sextante
Ano da Edição: 2005
Páginas: 400
Título Original: The Da Vinci Code

Sinopse
Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica. Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal.



Resenha

O livro já é antigo, sim, mas agora com “Inferno” nos cinemas acho que toda a série de suspense com o Robert Langdon, professor de iconografia religiosa e simbologia da Universidade de Harvard, volta à tona. E hoje vou falar justamente do segundo livro desta série (primeiro a ser adaptado para o cinema) e acredito que é o que mais causou na mídia: O Código Da Vinci.

Eu demorei a decidir ler o livro, só via o rebuliço que o livro causou no mundo inteiro, se tornando rapidamente um best-seller e o livro mais comentado do momento. Mas quando comecei a ler, imediatamente entendi o porquê disso tudo. O Dan Brown juntou tudo que mais gostamos: um bom suspense, uma boa polêmica e uma teoria de conspiração bem elaborada! O autor criou uma história de ficção baseada em uma das mais famosas teorias de conspiração existente, a do Santo Graal.

O livro começa com o assassinato do Jacques Saunière, o curador do Museu do Louvre. A situação na qual o seu corpo é encontrado é muito misteriosa e Robert Langdon se torna o principal suspeito do homicídio. Então, se inicia uma grande trama policial envolvendo fugas, assassinatos, arte, religião, sociedades secretas, códigos e enigmas. Parece bem mirabolante, mas tudo isso acontece em lugares que todos nós já ouvimos falar, como o Louvre; envolve pinturas famosas e já submergidas em mistérios, como a Mona Lisa; fala de religião; e cita fatos e personagens da História que conhecemos, como Leonardo Da Vinci, Isaac Newton, entre outros. Então, tudo isso cria uma familiaridade com a história e em momentos até te faz duvidar se aquilo realmente não é verdade.

É um suspense eletrizante, cheio de mistérios, que te deixa mais e mais curioso a cada capítulo. A cada peça que vai encaixando no quebra-cabeça, a cada enigma descoberto, você se envolve mais com a história e quando menos percebe está sonhando com uma viagem a Paris para ver de perto tudo aquilo que leu e planejando confirmar a teoria.

A edição que tenho é a ilustrada e é a que recomendo, pois deixa a leitura muito mais viva e fluida. Ao longo do livro, são citados determinados detalhes de obras de arte, de construções, etc. e com essa edição você pode visualizar o que ele está citando. É muito melhor, pois o leitor não tem que ficar apenas imaginando, ou tendo que parar a leitura pra caçar no Google.

Robert Langdon
  1. Anjos e Demônios (Angels and Demons)
  2. O Código Da Vinci (The Da Vinci Code)
  3. O Símbolo Perdido (The Lost Symbol)
  4. Inferno (Inferno)

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A Última Canção de Bilbo - J.R.R. Tolkien

A Última Canção de Bilbo - J.R.R. Tolkien com ilustrações de Pauline Baynes

Editora: Martins Fontes
Ano da Edição: 2013
Páginas: 32
Título Original: Bilbo's Last Song

Sinopse
Narrativa poética da última viagem de Bilbo Bolseiro em direção ao Oeste. Nesse momento, ele compõe sua última canção, enquanto rememora sua primeira grande aventura, descrita em O Hobbit. Essas duas histórias são contadas ao leitor de forma simultânea, por meio das ricas ilustrações que compõem esta belíssima obra, que terá edições em brochura e em capa dura. Um grande deleite para todos os fãs de Tolkien!



Resenha

Aproveitando que esta semana teve só uma resenha curtinha sobre quadrinhos, coloco aqui outra resenha pequenina sobre um livro ilustrado. Quem me conhece sabe que amo os livros do Tolkien. Volta e meia, compro mais um livro dele e assim vou completando minha coleção de histórias de Tolkien.

Recentemente, comprei este livro cujo texto é apenas essa última canção de Bilbo Bolseiro. No total, são 3 estrofes com 8 versos cada. Cada dois versos ocupam 2 páginas belamente ilustradas por Pauline Baynes.

Achei as ilustrações lindas! Elas vão fazendo um paralelo entre a primeira e a última aventura de Bilbo. Também gostei bastante da tradução, pois no final do livro tem o original em inglês e dá pra ver que a tradutora foi bem cuidadosa e fez um trabalho excelente.


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Simplemente Quino



Simplemente Quino - Joaquín Salvador Lavado (Quino)

Editora: Ediciones de la Flor
Ano da Edição: 2016
Páginas: 128
Sinopse
El humor inconfundible de Quino representado en esta impecable selección de chistes mudos. A través del humor, Quino nos brinda herramientas para enfrentarnos a las duras pruebas que se nos presentan día con día. Desde la publicación de su primer libro, Quino se ha caracterizado por un fino trazo capaz de transmitir un sinfín de emociones. Su poder de síntesis es tal, que un solo cuadro cuenta una historia completa, y nos arranca una carcajada, o hasta una lágrima, sin necesidad de emplear una sola palabra. Ahora nos presenta su más reciente obra, en la cual deja claro que su humor continúa vigente. Y es que nadie más que él puede retratar la realidad de una manera tan contundente.



Resenha

Hoje, temos uma resenha curtinha sobre o mais recente livro do Quino. Por enquanto, ainda não há uma edição brasileira, mas a edição argentina pode ser facilmente encontrada nos sites daqui.

Sempre gostei muito da Mafalda, mas não conhecia muito do restante do trabalho de Quino. Resolvi comprar este livro para conhecê-lo um pouco mais. Quino tem uma maneira bem sua, meio engraçada e meio sarcástica, de criticar a política e a sociedade. Eu me identifico bastante com seu trabalho e gostei muito do livro. Como o livro é fininho e composto somente de quadrinhos, a pessoa lê num instante.

São vários os quadros que nos fazem refletir sobre o mundo em que vivemos. Algumas coisas o autor, certamente, tinha em mente a Argentina, mas se aplicam facilmente ao Brasil também. Para quem sabe só um pouquinho de espanhol, já dá para lê-lo tranquilamente. Primeiro, porque vários dos desenhos não possuem texto. Segundo, porque os que têm algum texto, são frases curtas e fáceis de entender.

4 estrelas

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

A Pousada Rose Harbor - Debbie Macomber

A Pousada Rose Harbor - Debbie Macomber

Editora: Novo Conceito
Ano da Edição:2013
Páginas: 350
Título Original: The Inn at Rose Harbor

Sinopse
A busca por um novo começo pode levar a grandes revelações. Jo Marie Rose decide comprar uma pequena pousada, como forma de superar a morte do marido. Mal sabe ela que as surpresas que a esperam nessa nova empreitada. Seu primeiro hóspede é Joshua Weaver, que voltou para casa para cuidar de seu padrasto doente. Os dois nunca se conheceram pessoalmente e Joshua tem alguma esperança de que possam conciliar suas diferenças. No entanto, uma habilidade de Joshua há muito perdida prova que o perdão nunca está fora de alcance e que o amor pode florescer onde menos se espera. A outra hóspede é Abby Kincaid, que retorna a Cedar Cove para comparecer ao casamento do irmão. De volta pela primeira vez em 20 anos, ela quase deseja não ter ido, devido às memórias trazidas pela pitoresca cidade. E conforme Abby se reconecta com sua família e seus velhos amigos, percebe que só pode seguir em frente se permitir-se verdadeiramente a isso.



Resenha

Que decepção! Sério, não foi nada bom este livro. Se você olhar minha resenhas anteriores dos outros livros da Debbie Macomber que li, verá que eu tinha gostado bastante, especialmente da série Cedar Cove. Eu adorava o jeito mais realista e menos apressado dos livros da autora e ficava triste por nenhuma editora publicar aqui os demais livros da série. Quando a Novo Conceito lançou este livro, eu comprei na hora, já achando que ia amar ter alguma coisa que se passasse em Cedar Cove, mesmo que fosse outra série. Porém, eu me enganei completamente; tudo que gostava na Debbie Macomber, não está presente aqui.

Este livro estava na minha estante há algum tempo. Eu o comprei pouco depois do lançamento, que pelo visto foi em 2013, mas só vim ler agora! Nem sei explicar o porquê, pois eu realmente gostava da Debbie Macomber, mas acabei adiando a leitura e parece que estava certa. Este livro é clichê em cima de clichê. O principal da história se passa em três dias, isso mesmo três dias! Todo mundo aqui tem um grande peso, um fardo que carrega, aquela coisa toda. Os dois hóspedes da pousada não voltavam a Cedar Cove há mais de 10 anos, desde quando eram adolescentes (cada um em sua época, eles não se conheciam antes), e agora se veem obrigados a voltar. Josh volta por causa do padrasto que está morrendo e Abby para o casamento do irmão.

Minha irritação começou porque todas as pessoas quando reencontravam Abby perguntavam logo se estava casada e tinha filhos. Todo mundo, a família dela em peso, parecia achar que ela tava meio triste e afastada da família, mas que o problema da vida dela devia ser porque ela ainda estava solteira, quando ela encontrasse um homem, ia ser feliz. Sério, a mulher tem um trauma por causa de um acidente que matou sua melhor amiga, mas ela tem mesmo que esquecer isso e arrumar um marido. E é exatamente isso o que acontece. Dentro de três dias. Ela não casa em três dias, mas fica subentendido que vai dar tudo certo. Do nada, depois de uns 15 anos, ela se reencontra as amigas do ensino médio, todo mundo tá bem e isso a estimula a seguir em frente. Outros clichês acontecem, ela também reencontra um antigo namorado, que também continua solteiro, mas está pronto para casar e é isso.

A história de Josh é tão ruim quanto. Ele tem um ódio mortal do padrasto, que o tratava super mal, mas como o velho tá morrendo, a assistente social pede que ele volte para resolver a situação de quem vai cuidar do velho e blá, blá, blá. Então, magicamente, em três dias, todo mundo se perdoa, tudo fica bem e Josh, que também continuava solteiro, porque não conseguia se ligar a ninguém, arruma uma mulher e já decide que quer casar e ter filhos...

Como se tudo isso não bastasse, ainda tem fantasma pelo meio, falando com o povo através de sonhos (ou não), dizendo ao povo o que fazer exatamente para que tudo se resolva. Pois é, fantasma! Enfim, não consegui me apegar a nenhum dos personagens, até a dona do pousada não é cativante, e não tenho a mínima vontade de ler o resto da série, mesmo que tivesse sido publicada aqui. Daria 1 estrela e meia, que arredondei para duas, só porque já li livros piores para os quais dei 1 estrela.

Rose Harbor
  1. A Pousada Rose Harbor (The Inn at Rose Harbor)
  2. Rose Harbor in Bloom (o restante não foi lançado no Brasil)
  3. Love Letters
  4. Silver Linings
  5. Sweet Tomorrows
A série ainda tem uns contos (ou short stories) que estão cronologicamente entre alguns livros. Eles são: When First They Met (#0.5), Lost and Found in Cedar Cove (#1.5) e Falling for Her (#3.5).


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Turista Literário (setembro / 2016)

Mais uma postagem sobre clube de assinatura de livros, só que desta vez é sobre o Turista Literário. O Turista Literário é focado em livros Jovem Adulto ou YA (Young Adult em inglês) e os itens que acompanham o livro têm sempre relação com alguma parte da história do livro. Eu achei a proposta bem interessante e resolvi fazer a assinatura e testar o Turista também (é, eu tou passando por uma fase consumista, não me perguntem o porquê).

Minha primeira "mala" foi a de setembro e eu a consegui na sorte. O período de inscrições já tinha passado, mas deixei meu nome na lista de espera e apareceu uma vaguinha para mim. Fiquei bem ansiosa pela chegada da mala, muito mais do que fiquei pela TAG, pois não tinha a menor ideia de qual livro seria. Eu não vi nenhum unboxing ou resenha sobre a mala para não estragar minha surpresa. Então, quando a mala chegou, fui abrir toda contente, mas meu sorriso vacilou logo que abri.

Assim que abri dava para ver que algo tinha vazado e melado a caixa por dentro. Então, tirei tudo logo de qualquer jeito à procura do livro para saber se ele tinha sido danificado. E o coitado estava todo melado. O culpado foi o item de comer que era um figo cristalizado que se "espragatou" e vazou do saquinho. Além do livro, foram danificados o guia (mas o selo estava ok), o marcador, a tag e um pouco do papel que envolvia o incenso. Abaixo estão umas fotos da mala melecada.


Desesperada, entrei em contato com as meninas que gerenciam o Turista e fui rapidamente atendida. Disseram que reenviariam os itens danificados já no dia seguinte (pedi sem o figo, para não correr riscos desnecessários). Neste domingo (sim, pasmem, os Correios vieram num domingo!), chegou minha malinha com todos os itens lindos, sem doce nenhum por cima. E agora sim, pude fazer o post para contar o que achei de tudo. Vou colocar aqui fotos de tudo que veio.

Acima, temos a caixa com tudo (o que veio agora + os itens não danificados). Reenviaram o incenso, não só o papel em volta dele, então acabei me tornando uma sortuda e fiquei com o dobro de incensos! Ao lado, temos o marcador do Turista (que foi reenviado), o passaporte e o postal. Estes dois últimos não foram melados pois estavam a salvo dentro de um envelope. O passaporte serve para você ir colando os selinhos de cada localidade para onde você "viajou" com o Turista, o que achei bem legal. Estes itens, pelo que entendi, vêm uma vez, na sua primeira mala.


Depois, temos a tag, que é onde vem explicando cada item da mala, e o guia de viagem, onde tem uma breve descrição sobre para onde vamos viajar com o livro do mês, tem o selo do lugar para colar no passaporte e o QR code para acessar a playlist. A playlist tem músicas especialmente selecionadas para fazer o leitor entrar no clima do livro. Os itens do mês foram: o figo (que já teve seu fim, mas ele era aquele embrulho verde nas primeiras fotos), o kit de sobrevivência no deserto (a caixinha dourada que vem com sal dentro), o incenso (que tem um cheiro maravilhoso! Eu e Larissa não gostamos de incenso, mas abrimos uma exceção para este) e a garrafinha, que é linda!

Por fim, temos o livro do mês, o de setembro foi As Mil Noites de E. K. Johnston, que veio com o próprio marcador. Adoro quando o livro vem com seu marcador! A edição do livro é bela e fiquei bastante interessada na história também, que é um reconto de As Mil e uma Noites.

No geral, gostei bastante da mala do Turista Literário, achei que veio bem recheada e a experiência é bem mais imersiva do que a da TAG (leia meu post sobre a TAG). A mala custa R$79,90, 10 reais a mais que a TAG, mas achei que valeu a pena pelo serviço que oferece. Também adorei a comunidade do Turista no Facebook, onde a gente pode trocar ideias com os outros assinantes e todo mundo compartilha sua ansiedade pela próxima mala. =P E é isso, quando eu ler o livro, faço uma resenha e digo se o aperreio valeu a pena.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Lady Whistledown Strikes Back

Voltamos esta semana com outra antologia com a Lady Whistledown.

Lady Whistledown Strikes Back - Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins & Mia Ryan

Editora: HarperCollins e-books
Ano da Edição: 2009
Páginas: 400

Sinopse
Julia Quinn enchants: A dashing fortune hunter is captivated by the Season's most desired debutante...and must prove he is out to steal the lady's heart, not her dowry. Suzanne Enoch tantalizes: An innocent miss who has spent her life scrupulously avoiding scandal is suddenly—and secretly—courted by London's most notorious rogue. Karen Hawkins seduces: A roving viscount comes home to rekindle the passionate fires of his marriage... only to discover that his beautiful, headstrong bride will not be so easily won. Mia Ryan delights: A lovely, free-spirited servant is dazzled by the romantic attentions of a charming earl... sparking a scandalous affair that could ruin them both.



Resenha

Confesso que fiquei decepcionada com este livro. Eu estava esperando que fosse tão bom quanto a primeira antologia da Lady Whistledown, mas até a história da Julia Quinn não foi instigante.

A primeira história foi a da Julia Quinn que, apesar de boa, não trouxe aquele algo mais, sabe? Nem o mocinho, nem a mocinha tinham algo de diferente, que fizesse você querer ler mais sobre eles.

A segunda foi a da Mia Ryan e a pior de todas! Nem as colunas da Whistledown conseguiram salvar esta daqui. Eu tinha gostado tanto dos personagens da história da autora no outro livro, mas dessa vez eu não gostei de nenhum. Todas as vezes que a mocinha aparecia, ela tinha que rir ou gargalhar sem nenhum motivo aparente. Enquanto o mocinho (sem sal) achava isso "adorável", eu me irritava toda vez. A sorte é que a autora faz histórias curtinhas e o sofrimento não durou tanto.

A terceira história foi a da Suzanne Enoch e, mais uma vez, foi só OK. Eu até que gostei do mocinho e a história começou de um jeito que parecia que ia ser boa, mas o desenrolar foi insatisfatório. Página após página, a mesma situação se repetia: mocinho tenta falar com mocinha, os pais dizem que ela não tá em casa, ela fica sabendo que ele apareceu só depois e os pais dizem que ela não pode vê-lo, pois ele é o tipo de homem que pode causar escândalos. Pronto, é isso.

A última história é a da Karen Hawkins, que eu esperava que fosse salvar o livro, pois no último a história dela foi a mais divertida, mas não foi o que aconteceu. Os personagens eram legais, mas o motivo de sua separação inicial não era o suficiente para justificar 12 anos(!!) de rompimento, sendo que os dois são casados. Era de se esperar que depois de uns 2 anos, ou eles se divorciavam de vez, ou tentavam se reconciliar. Doze anos foi um exagero.

Lady Whistledown (série ainda não lançada no Brasil)
  1. The Further Observations of Lady Whistledown
  2. Lady Whistledown Strikes Back

terça-feira, 4 de outubro de 2016

TAG - Experiências Literárias (outubro / 2016)

Este vai ser um post diferente, pois não é uma resenha de livro. Vou contar aqui as minhas primeiras impressões sobre a TAG - Experências Literárias.

Para quem não sabe, a TAG é um clube de assinatura de livros, onde todo mês você recebe em casa um livro que não sabe qual é. Eles dão umas dicas de qual será o livro do próximo mês, para quem quiser tentar adivinhar, mas não dizem qual será de fato. Além do livro, eles sempre mandam algum mimo, que pode ter algo a ver com o livro, e a Revista TAG, que conta mais sobre o curador do mês, o autor do livro do mês e dá as dicas do próximo mês.

Eu achei a proposta legal, ela faz com que você acabe experimentando diferentes tipos de livros. É bom para quem quer sair da zona de conforto e variar a leitura. Por um lado, você pode se surpreender e gostar muito do livro que recebeu, ler um livro que não leria normalmente e acabar gostando. Por outro lado, pode ser que o contrário aconteça, que receba um livro do qual não goste de maneira alguma. Os brindes que acompanham o livro também podem ser mais legais em um mês e mais sem graça noutros.

Enfim, como gosto muito de livros e vi uma promoção que dava 30% de desconto no primeiro mês, resolvi testar. Minha primeira caixa foi a de outubro que chegou hoje mesmo, dia 04. A foto de abaixo é de quando abri a caixa.


Veio tudo dentro desse saquinho, que é o mimo do mês de outubro. Pela foto que a TAG tinha colocado no Facebook, que pegava só a pontinha, eu achava que seria tipo uma capa de livro, dessas de tecido. Mas é como um "envelope" de tecido, com um botão atrás. Vou colocar mais fotos abaixo. Confesso que já tinha lido as dicas e fuçado no Google, então já tinha uma ideia de qual livro seria e acertei. O livro é "A Louca da Casa" de Rosa Montero. Nunca li nada dessa autora, mas pela descrição, fiquei com vontade de ler.


O livro e a revista vieram dentro dessa "caixinha" de papelão. Além disso, mandaram uma cartinha de boas-vindas e um marcador personalizado da TAG.
 

Mas e aí, o que achei? Ainda tenho que ler a revista e livro para poder avaliar a experiência como um todo, mas eu achei que foi legal. Porém, achei que este foi um mês mais fraco, onde o preço ficou salgado para o que foi oferecido. Na Amazon, o livro está hoje por R$13,10 - isso mesmo, 13 reais e 10 centavos! Para mim, que paguei R$48,93, ficou bem +ou-, mas quem pagou o preço normal da caixa, R$69,90, deve ter ficado bem desapontado.

Eu sei que a pessoa não paga pelo livro, mas pela "experiência" como um todo, que eles têm todo um cuidado de encontrar diferentes curadores, de preparar a revista e tudo mais; só que não compensou neste mês. Entretanto, no geral, pode até vale a pena, pois o preço dos livros das caixas anteriores está entre 25 e 35 reais. Além disso, tem o frete, que já está incluso nesses R$69,90 para qualquer parte do Brasil.

Portanto, não vou desistir da assinatura logo. Vou esperar o próximo mês, quando pagar o preço normal, para decidir se continuo ou não.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

The Further Observations of Lady Whistledown

Para não deixar o blog parado, vou colocar aqui algumas resenhas que já estão no meu Skoob, mas que acabei não publicando no blog.

The Further Observations of Lady Whistledown - Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins & Mia Ryan

Editora: HarperCollins e-books
Ano da Edição: 2009
Páginas: 400

Sinopse
Society is abuzz when the Season's most promising debutante is jilted by her intended—only to be swept away by the deceitful rogue's dashing older brother—in New York Times bestseller Julia Quinn's witty, charming, and heartfelt tale. When the scandalous actions of his beautiful fiancée are recorded in Lady Whistledown's column, a concerned groom-to-be rushes back to London to win his lady's heart once and forever, in Suzanne Enoch's enchanting romantic gem. Karen Hawkins captivates with an enduring story of a handsome rogue whose lifelong friendship—and his heart—are tested when the lovely lady in question sets her cap for someone else. A dazzling and delightful tale by Mia Ryan has a young woman cast out of her home by an insufferable yet charming marquis—who intends to take possession not only of the house... but its former occupant as well!



Resenha

O melhor são as colunas da Lady Whistledown!

Lady Whistledown é uma personagem introduzida na série Os Bridgertons (lançada no Brasil pela Arqueiro). Ela é uma escritora daquelas colunas de fofocas, suas colunas são muito engraçadas e aparecem no início de cada capítulo dos livros da série. A personagem fez um sucesso tão grande entre os fãs da Julia Quinn que ganhou participação em mais dois livros. São duas antologias, com histórias de 4 autoras (incluindo a Quinn), onde as hilárias colunas de Lady Whistledown aparecem também no início de cada capítulo.

O bom dessas antologias é que elas permitem que você "prove" um pouco da escrita de algumas autoras que não conhece, sem se comprometer com um livro inteiro só delas. No geral, o livro foi muito bom, com as colunas da Lady Whistledown no início de cada capítulo, tudo fica mais gostoso de ler. Só a primeira história é que foi +ou-.

Não simpatizei com a mocinha da primeira história e achei que a autora, Suzanne Enoch, fugiu demais dos costumes da época. É claro que esses livros românticos não têm a pretensão de serem historicamente precisos e que temos de dar um desconto, mas a filha mimada de um nobre ir pra cama com o prometido antes do casamento já é bastante "pra frente", agora ela dizer que aquilo não significou que ela ia aceitar casar foi além da conta.

A segunda história, da Karen Hawkins, foi bastante divertida. A mocinha tem 31 anos, um gosto duvidoso para roupas e um macaco! Gostei da escrita da autora e pretendo procurar outros livros dela.

A terceira foi a de Mia Ryan, cujo mocinho foi ferido na cabeça durante a guerra e agora ficou com dificuldades para falar. Como ele não é de conversar, acaba despertando opiniões e reações diversas nas pessoas e gerando algumas situações até engraçadas. A história foi a mais curtinha, mas ótima. Também foi uma autora que me despertou a curiosidade.

A Julia Quinn era a única autora de quem eu já tinha lido alguma coisa, justamenta da série dos Bridgerton, que tem a Lady Whistledown. A história dela também foi ótima, com uma mocinha que havia sido cortejada e depois rejeitada em público pelo irmão mais novo do mocinho.

Lady Whistledown (série ainda não lançada no Brasil)
  1. The Further Observations of Lady Whistledown
  2. Lady Whistledown Strikes Back